segunda-feira, 25 de maio de 2009

Crianças - Segurança Online

Entre os 2 e 4 anos de Idade

Um estudo de 2003 sobre a utilização que as crianças fazem da Internet revelou que as crianças em idade pré-escolar constituem agora o segmento de utilizadores da Internet que apresenta um crescimento mais rápido. As crianças nestas idades têm uma capacidade de atenção limitada para as actividades online, mas as imagens e os sons da Internet podem estimular a sua imaginação e aumentar as suas experiências. Os pais e os irmãos mais velhos podem acompanhar as crianças em idade pré-escolar nas suas visitas à Internet, para visitar locais na Internet próprios para crianças desta idade, desenvolvendo também actividade lúdica.
Nesta idade, os adultos têm de desempenhar um papel importante no que respeita ao ensino de uma utilização segura da Internet e a uma supervisão rigorosa das reacções dos filhos perante o que estes encontram online.

Recomenda-se:
•Nestas idades, acompanhe sempre os seus filhos nas suas visitas à Internet.
▪ Faça uma conta de utilizador específica para a criança no computador da família
•Adicione sites aceitáveis à sua Lista de Favoritos, para criar um ambiente online personalizado para os seus filhos.
•Utilize motores de pesquisa destinados a crianças (como o MSN Kids Search - em Inglês), ou motores de pesquisa com controlos para restrição de acesso.
•Informe-se sobre ferramentas de filtragem de conteúdos da Internet para usar como complemento, e não como substituto, da supervisão dos pais.
•Ajude a proteger os seus filhos de janelas de publicidade ofensivas, com software que bloqueia janelas pop-up.
•Comece a ensinar aos seus filhos a importância da privacidade. Se um site encorajar as crianças a fornecerem os seus nomes para personalizar o conteúdo Web, ajude os seus filhos a criarem alcunhas para utilização online que não revelem nenhuma informação pessoal.
•Todos os membros da família devem agir como modelos a seguir pelos mais jovens, quando estes começam a utilizar a Internet.
in www.microsoft.pt

protejainternet@

segunda-feira, 11 de maio de 2009

Cyberbullying o perigo virtual que é real!

“Termo recente que ainda não entrou no vocabulário português. Bullying define actos premeditados e repetidos de violência física ou psicológica, praticados para intimidar ou agredir alguém, começa lentamente a entrar nos ouvidos da opinião pública. Actividade que sempre existiu, quem não se lembra de na escola ter aquele colega ou colegas rufiões que batiam em toda a gente. O Cyberbullying permanece na sombra, num território que só é desvendado quando se pesquisa sobre a matéria ou quando essa prática nos bate à porta. No cyberbullying recorre-se à tecnologia para ameaçar, humilhar ou intimidar alguém através da multiplicidade de ferramentas da nova era digital. Redes sociais da Internet, sites de partilha de fotos, imagens de telemóvel, gravações MP3, têm servido para desvirtuar a realidade pondo em causa a intimidade e a reputação. Em Portugal, também há jovens que são vítimas de cyberbullying. Vivem aterrorizados que os colegas da escola descubram as mentiras fabricadas, têm medo de contar o que estão a viver. E, na maioria dos casos, o agressor esconde-se sob a capa do anonimato.”
Adaptado de www.educare.pt

Na verdade o cyberbullying, está em crescendo, infelizmente, pais, escolas e autoridades prestam muito pouca atenção a esta questão. As escolas são locais cada vez mais perigosos, onde as crianças, estão submetidas a algozes que muitas vezes pouco mais idade têm que as vitimas. O cyberbullying, é regra geral menosprezado e apoucado, pelas escolas, que preferem fazer como a avestruz e enterrar a cabeça, as autoridades infelizmente, pouco atentas(ler artigo do Jornal "Sol") como estão escudam-se na defesa dos incapazes, na desculpa sempre utilizada, do caso pontual, que significa que na realidade, essas mesmas autoridades nunca perderam um minuto sequer a discutir o assunto.
Os pais, por imensas razões, desleixo, desconhecimento ou simples incúria, deixam muitas vezes os sintomas e os problemas que surgem com esta situação passar-lhes ao lado, os pais das vitimas, sentem-se indignados e desprotegidos, os pais dos agressores optam pela desculpabilização dos criminosos que muitas vezes dada a impunidade prevaricam uma e muitas vezes, nesta cultura de laxismo, as vitimas muitas vezes optam por tentativas de suicídio e por fugas, tornando uma má situação em algo ainda pior. Esteja atento o cyberbullying existe e acredite que não acontece só aos outros.

protejainternet@

quarta-feira, 6 de maio de 2009

Keylogger

Keylogger, é o um acrónimo derivado da língua inglesa que significa registo de teclado. A finalidade deste software é criar um registo de tudo o que é digitado. Servem para executar elaborados esquemas de fraude informática, os dados obtidos são enviados a um pirata informático ou Cracker, que utilizando estes programas para esquemas de Phishing, adquire conhecimento de informações pessoais das potenciais vítimas, que desconhecem por completo que existem keyloggers instalados no seu computador.
Quando navega na Internet deverá certificar-se de que possui, instaladas no seu computador ferramentas Anti-Spyware, uma boa Firewall e um Antivírus. Todos estes programas devem estar a funcionar e actualizados, para que mais eficazmente possam desempenhar as suas funções de defesa do seu computador.
O modo de infecção, mais frequente através de keylogger, são os falsos Email e falsos Links, por conseguinte, deverá ter sempre muita atenção, ao clicar em Links que apareçam em Emails de procedência duvidosa, pois podem configurar ameaças sérias ao seu sistema e pior aos seus dados pessoais. Existem até keyloggers especiais que surgiram com o advento de uma tecnologia de segurança, os teclados digitais, implementada para proteger os utilizadores dos keyloggers “tradicionais” que são os Screenloggers, que fotografam ou gravam imagens daquilo que o utilizador está a visualizar, enviando essas imagens para o pirata informático poder concretizar a sua fraude. Existe também um keylogger especialmente concebido para roubar as palavras-chave dos serviços de homebanking, a este tipo de keyloggers chama-se keybank.
Mantenha os programas actualizados, use sempre antivírus e efectue análises frequentes ao sistema para melhorar e optimizar a sua defesa. Abaixo ficam os links para ferramentas de defesa e protecção bem como de limpeza do seu computador.

protejainternet@

Trend Micro análise e online scan
Advanced System Care, limpeza e optimização do seu computador

segunda-feira, 4 de maio de 2009

Sim é Linux! E depois?


O que é Linux
Linux é ao mesmo tempo um kernel (ou núcleo) e o sistema operacional que roda sobre ele, dependendo do contexto em que você encontrar a referência. O kernel Linux foi criado em 1991 por Linus Torvalds, então um estudante finlandês, e hoje é mantido por uma comunidade mundial (que inclui programadores individuais e empresas como a IBM, a HP e a Hitachi), coordenada pelo mesmo Linus, agora um programador mundialmente reconhecido. Algumas distribuições (como o Knoppix e o brasileiro Kurumin) são especialmente disponibilizadas na forma de Live CDs, capazes de rodar diretamente do CD e dispensando instalação no disco de seu computador - é uma boa forma de ter seu primeiro contato.
Como o Linux é um software livre, a maior parte dos produtores disponibiliza imagens ISO contendo exatamente o mesmo conteúdo dos CDs vendidos em lojas ou na Internet, e você pode fazer o que quiser com elas - até mesmo gravar em CDs para revendê-las (e se você quiser comprar CDs deste tipo, lojas virtuais brasileiras como a Tempo Real e a LinuxMall estão à disposição). Quando se trata de Linux, este tipo de cópia e revenda não é irregular nem anti-ético, pois é da essência do software livre.
Você pode procurar suas imagens ISO no site de sua distribuição preferida - às vezes será necessário fazer o download de mais do que uma imagem, e em outros casos o download da primeira imagem é obrigatório, e o das outras é opcional. Raras são as distribuições que não disponibilizam imagens ISO de instalação.
Se preferir, procure no site linuxiso.org, cuja especialidade é apontar links para imagens ISO dos CDs das distribuições de Linux do mundo todo.
Como se trata de um download grande (uma distribuição em 3 CDs corresponde a quase 2GB de dados), certifique-se de ter espaço suficiente no seu HD, e utilize um bom gerenciador de download.

Adaptado de, CAMPOS, Augusto. O que é Linux. BR-Linux. Florianópolis, Março de 2006. Disponível em http://br-linux.org/faq-linux.
protejainternet@