segunda-feira, 11 de outubro de 2010

Crianças com fotografias na Internet



Um estudo recente realizado em 10 países dos mais desenvolvidos, revela que 82% das crianças como menos de 2 anos tem fotografias publicadas online. Uma perspectiva pavorosa e alarmante, que nos leva a acreditar que as mamãs e os papás, destas crianças, não estão realmente a preservar a privacidade dos seus filhos, expondo-os a perigos que desconhecem.
O estudo foi realizado pela empresa Research Now a 2200 mães com crianças com menos de dois anos, na semana de 27 de Setembro de 2010. Foram escolhidas mães em cinco países europeus Reino Unido, Alemanha, França, Itália e Espanha, Canadá, Estados Unidos, Austrália, Nova Zelândia Japão.

Alguns dos resultados:

1 – Mães de crianças com menos de dois anos que colocam fotografias das crianças online.
Média dos 10 países – 81%.
EUA – 92%, Canadá – 84%.
Reino Unido – 81%, França – 74%, Itália – 68%, Alemanha – 71%, Espanha – 71%.
Austrália – 84%, Nova Zelândia – 91% Japão – 43%.

2 – Mães que publicam fotografias dos recém-nascidos.
Média dos 10 países – 33%.
EUA – 33%, Canadá – 37%.
Reino Unido – 37%, França – 26%, Itália – 26%, Alemanha – 30%, Espanha – 24%.
Austrália – 41%, Nova Zelândia – 41%, Japão – 19%.

3 – Mães que publicam ecografias.
Média dos 10 países – 23%
EUA – 34%, Canadá – 37%
Reino Unido – 23%, França – 13%, Itália – 14%, Alemanha – 15%, Espanha – 24%.
Austrália – 26%, Nova Zelândia – 30%, Japão – 14%.

4 – Mães que criam uma conta de correio electrónico para o bebé.
Média dos 10 países – 7%.
EUA – 6%, Canada – 9%.
Reino Unido – 4%, França – 7%, Itália – 7%, Alemanha – 7%, Espanha – 12%.
Austrália – 7%, Nova Zelândia – 4%, Japão – 7%.

5 – Mães que publicam um perfil do seu bebé numa qualquer rede social.
Média dos 10 países – 5%
EUA – 6% Canada – 8%
Reino Unido – 4% França – 2% Itália – 5% Alemanha – 5% Espanha – 7%
Austrália – 5% Nova Zelândia – 6% Japão – 8%

Estes resultados são deveras preocupantes, para além da ignorância que demonstram os progenitores revelam uma completa falta de consciência na preservação da privacidade dos seus filhos e também da sua privacidade.
Que mal pode ter a foto do meu bebé na Internet? Esperemos que nenhum mal, mas para algo tão comum como seja o rapto a pedido, essa é uma grande ajuda, é como ter um catálogo de uma qualquer loja onde se pode escolher o modelo e a cor que se deseja, e acreditem que isto não é ficção!

@protejainternet

Nenhum comentário:

Postar um comentário