sexta-feira, 13 de maio de 2011

Violência escolar em escola de Almeirim!

Por vezes é mais fácil ver o que está longe do que aquilo que se passa à frente da nossa casa, o caso que relatamos agora, que por enquanto configura apenas um caso, mais um, de violência escolar, aconteceu aqui em Almeirim. Este caso foi-nos relatado por um grupo de pais preocupados, que nos fizeram chegar ontem uma mensagem de correio electrónico com detalhes do caso.
Exige a sensibilidade do caso que se guardem as identidades, das pessoas que nos relatam o caso, bem como nos absteremos também de comentar, as eventuais implicações processuais que possam advir e ou estar em curso neste caso. No entanto responderemos a duas das várias questões que esse grupo de pais nos colocou, por serem as questões que podemos responder sem colocar em causa as investigações e o segredo de Justiça que eventualmente abrangerá este caso, se como esperamos, houver um procedimento criminal contra os perpetradores de tais condenáveis actos.
Perguntam os pais se esta situação pode ser considerada Bullying. É difícil perceber se estes maus tratos entre pares configuram uma situação de bullying, dado não nos ter sido possível apurar se tais agressões duram há muito tempo, ou se foram apenas as indicadas pelos relatos, no entanto se nada for feito e o acto ficar impune, estamos em crer que esta ou outra situação similar no futuro, possa efectivamente degenerar numa situação clássica de bullying, dado que aparentemente as premissas básicas de uma situação de bullying aqui estão configuradas.
Em relação à actuação da escola, consideramo-la medianamente actuante. Sabemos que as escolas, estão sob pressão e que muitas vezes os meios e as possibilidades de actuação esbarram contra legislações, estatutos e ou regulamentos, que pecam por defeito. Neste caso a atitude correcta seria a intervenção desde logo da associação de pais, depois na escola deveria existir uma equipa multidisciplinar que envolva profissionais clínicos e mediadores de conflitos que actuem junto dos agredidos e dos agressores e das suas famílias, todos colaborando para a resolução da situação, esta seria a situação ideal e utópica. Infelizmente sabemos que o Ministério da Educação não considera este tipo de ocorrências uma prioridade, com ficou óbvio no caso da escola de Mirandela, esperamos pois que a escola intervenha de forma firme nesta situação.
Em resumo, este tipo de situações, exigem respostas céleres e temperadas pela multidisciplinaridade de todas as parcelas que compõe a equação da violência, as escolas necessitam de estar atentas e de exercer com o máximo de rigor as competências que detêm nesta área, sob pena de a sobrevalorização a inépcia neste tipo de ocorrências poder conduzir a maiores problemas, perfeitamente evitáveis se atalhados, com ponderação e firmeza e de modo profissional, atempadamente.
O projecto Proteja a Internet, agradece, aos pais preocupados a informação disponibilizada, colocando-nos ao dispor para quaisquer, esclarecimentos adicionais que creiam pertinentes colocar-nos.

Para saber mais
http://www.bullying.co.uk/
http://www.bullyonline.org
http://www.beatbullying.org/
http://www.bullying.org/
http://www.portalbullying.com.pt/

Nos jornais sobre este caso
http://www.cmjornal.xl.pt/detalhe/noticias/nacional/ensino/alunos-lancam-o-medo-na-escola
http://www.cmjornal.xl.pt/detalhe/noticias/nacional/ensino/aluno-receia-mais-agressoes215745680
http://www.cmjornal.xl.pt/detalhe/noticias/nacional/ensino/quem-evitou-ajuda-tem-culpa

@protejainternet

Nenhum comentário:

Postar um comentário