terça-feira, 5 de junho de 2012

Ciberguerra a guerra surda!

O que são ciber armas?
As ciber armas, são programas informáticos concebidos essencialmente para espiar países ou organizações específicas incluídas na orgânica de um país. Exemplos disso são os programas de malware; Duqu, Stuxnet ou o mais recente Flame.
Este tipo de aplicações enquadra-se num projecto mais global de guerra electrónica que decorre nos escuros corredores da Web, este tipo de guerra está a afectar sobremaneira os países, a geopolítica e a economia mundial, sendo que ainda não se percebeu completamente o real alcance e implicações deste tipo de guerra.

Implicações para o utilizador comum
Esta nova maneira de fazer a guerra, traz ao utilizador comum acrescidas preocupações. Desde logo as quebras de serviços que podem trazer, portais Web fora de serviço, bancos e instituições governamentais, redes de abastecimento de água, redes eléctricas ou outros serviços que estejam interdependentes da utilização de serviços informáticos. Surgem também algumas questões ao nível da protecção de dados, uma vez que as redes dos países podem ser penetradas e os dados dos seus cidadãos roubados, nunca se sabendo onde e a quem esses dados posteriormente poderão ser entregues.

Quem faz o quê?
Actualmente muitos países já dispõem de unidades militares especializadas em guerra electrónica, estas unidades de ciberguerra actuam ao nível quer da ofensiva quer da contra espionagem tentando mitigar e descobrir eventuais brechas nos sistemas do próprio país. No caso da ofensiva, estas unidades destacam-se pela espionagem, sabotagem e roubo efectivo de informações em países com os quais se encontrem em conflito de interesses ou mesmo em países amigos. Existe também ao nível da contra-inteligência muito trabalho efectuado de combate ao terrorismo internacional e a outras organizações criminosas.
 
Alguns casos recentes
  •   Maio de 2012, um programa de malware muito avançado o Flame é descoberto, os especialistas em segurança informática declararam que este vírus de computador é altamente sofisticado e está a infectar computadores no Irão e noutros países do Médio Oriente tendo sido implantado, há pelo menos, cinco anos, para espionagem cibernética.
  • Outubro de 2011, foi anunciado que a frota de drones Predator da Base Aérea de Creech nos Estados Unidos foi infectada com um keylogger, resistindo a todas as tentativas de reverter a infecção.
  • Em Setembro de 2010, o Irão foi atacado pelo worm Stuxnet, este malware foi especificamente pensado para atacar a instalação de enriquecimento nuclear de Natanz. Foi um dos programas de malware mais avançado já descoberto.
 
Links sobre o tema





Nenhum comentário:

Postar um comentário